Os conflitos provenientes das relações entre patrões e empregados são resolvidos na Justiça do Trabalho. Para obter êxito nos tribunais, fazendo valer sua pretensão, um passo fundamental é a contratação de um bom advogado trabalhista.

Mas como é possível ter segurança de que fez a escolha certa? Há critérios objetivos a serem observados na hora de contratar aquele que vai defender seus interesses? A resposta, seguramente, é sim.

Se quer saber quais são os passos necessários para diminuir as chances de se arrepender dessa escolha, melhor continuar acompanhando o texto.

Especialização é importante para o sucesso

Milhares de pessoas formam-se em Direito anualmente no Brasil e escritórios são formados a todo momento. A qualidade do trabalho que pode ser desempenhado varia e, por isso, é fundamental a escolha de um escritório que tenha familiaridade e especialização com o direito trabalhista.

As faculdades formam profissionais generalistas e só a especialização permite que o advogado tenha segurança para atuar em uma área. Na Justiça especializada, como é o caso da trabalhista, essa especialização é ainda mais importante.

A Justiça do Trabalho tem regras distintas da Justiça comum. Os prazos, as nomenclaturas, os locais de atuação e, claro, o conteúdo do que está sendo discutido são sensivelmente diferentes de uma ação civil ou penal, por exemplo.

Por isso, escolher um escritório que possua advogados especializados nas questões trabalhistas, fazendo pós-graduações e cursos na área, é fundamental para que a representação seja eficiente.

Experiência como advogado trabalhista é fundamental

A obtenção de conteúdo teórico é um bom primeiro passo para que o escritório ou o profissional seja referência no que faz. No entanto, há certas coisas que só se aprende na prática. Por esta razão, é bom ficar de olho no tempo que o profissional que se quer escolher dedicou à área trabalhista.

É importante questionar: há quantos anos esse escritório já atua? Quantos clientes esse escritório já teve na área? De quantas causas já participou?

Um advogado que já milita na Justiça do Trabalho há longos períodos, vivenciou diversos tipos de conflito, conhece caminhos para a sua solução e tem uma facilidade maior para entender a evolução da jurisprudência dos magistrados desse ramo da Justiça.

Permanente atualização é obrigatória

Um advogado trabalhista que atuou fortemente no passado mas está há algum tempo afastado da área pode ter perdido as necessárias atualizações para o desenvolvimento de um bom trabalho.

Recentemente, por meio de um projeto de lei apresentado pelo governo e aprovado pelo Congresso, foram alterados diversos pontos da chamada Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), que rege as relações de trabalho no país. Um escritório que não possua profissionais atentos a essas mudanças e que tente seguir regras antigas e ultrapassadas tende a atrapalhar mais do que ajudar.

Referências auxiliam na escolha

A escolha dos profissionais que prestarão o atendimento requer paciência e atenção. Um ponto a ser observado é o que os antigos clientes relatam sobre o profissional. A busca de referências é fundamental. 

Basta pensar no que acontece quando há uma seleção de candidatos para determinada empresa. Não raro, recrutadores solicitam cartas de referências, fazem pesquisas e tentam conversar com antigos empregadores. No caso do advogado trabalhista, não deve ser diferente, afinal ele será contratado por você para executar a tarefa de defender seus interesses no trabalho.

Profissionais e escritórios que já atuaram para pessoas que têm problemas semelhantes ao seu podem ser uma boa opção, se prestaram um bom atendimento a elas.

Se você atua em uma determinada categoria profissional, que possui especificidades, escolher um escritório que tem certa familiaridade com casos de outros profissionais desta categoria pode ser um bom passo inicial. Assim, se há um advogado acostumado a pegar muitas causas de trabalhadores do setor bancário, por exemplo, eles sempre devem ser considerados por outros bancários que possuem conflitos a resolver na Justiça.

Em relação à busca por referências, é importante fazer uma ressalva: amizade é diferente de profissionalismo. Muitas vezes aquele seu grande amigo pode ser ótimo para um convívio social mas uma dor de cabeça ao defendê-lo nos tribunais. O que vale nesse caso é a competência profissional e o comprometimento com a causa.

A infraestrutura diz muito sobre o escritório

A defesa de seus interesses requer muito cuidado, esforço e organização, o que se torna mais fácil quando se tem uma ampla infraestrutura à disposição. Por isso, a escolha por um escritório costuma ser uma boa ideia.

Ter vários profissionais à disposição pode agilizar o processo e ser atendido com conforto torna sua experiência mais agradável e lhe dá mais confiança no resultado.

No escritório, é importante que você tenha contato com o advogado que vai defendê-lo, que certifique-se que é ele quem vai produzir suas peças e participar das audiências. Ou então, que fique claro que toda a equipe do escritório de advocacia estará atuando no caso e que todos possuem a competência necessária para levar o caso adiante.

O contato pessoal é importantíssimo para que um cliente faça a escolha por determinado profissional. Por isso, uma conversa, expondo o problema e ouvindo as considerações do advogado, é essencial.

Nesse contato, antes da contratação, você poderá medir o quanto o profissional compreende seu problema e consegue comunicar as opções a você. De nada adianta ele ter vasto conhecimento se não consegue traduzir isso de modo a lhe orientar naquilo que você precisa e tem direito no caso de um processo trabalhista.

Relação entre pedidos e resultados é diferencial

Uma boa maneira de medir a eficiência de um escritório ou advogado é buscar sua relação de resultados e pleitos. Profissionais que fazem muitos pedidos à Justiça do trabalho e fracassam na maioria deles podem gerar para os clientes um risco de prejuízo com a sucumbência.

Tal preocupação tornou-se maior com as novas regras implementadas pela Reforma Trabalhista. Assim, se você faz pedidos à Justiça, ganha uns e perde outros, será condenado a pagar honorários sobre os pedidos derrotados.

Portanto, ter um advogado que sabe dimensionar aquilo que é de fato um direito exigível por seu cliente, pode significar maior chance de sucesso e menor risco de prejuízo.

Mas, lembre-se: a contratação de um advogado não é uma relação de consumo e não há certeza do resultado. A complexidade dos casos, a quantidade de provas e o livre convencimento do juiz podem gerar resultados adversos do esperado, seja qual for o profissional escolhido.

Cobrança de honorários deve ser coerente

A questão dos honorários também é um ponto a ser levado em consideração na hora da escolha do escritório de advocacia que defenderá seus interesses. É fato que se recebe por aquilo que se paga, então economizar demais nessa hora pode gerar um efeito indesejado.

Atente-se ao fato de que os advogados e escritórios não devem cobrar valores abaixo do que determina a OAB. Além disso, em geral, bons profissionais e sociedades não costumam aceitar a pechincha dos clientes. Eles possuem valores fixos determinados por critérios objetivos.

Considerados todos os fatores acima, você certamente estará no caminho certo para a escolha de um bom advogado trabalhista. 

Se você já está pronto para isso, precisa de um bom advogado ou tem dúvidas a serem esclarecidas, entre em contato com o escritório Elísio Quadros.